Mothers Perception Of The Collective Monitoring On The Child Growth And Development

Authors

  • Polyanna Keitte Fernandes Gurgel Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Akemi Iwata Monteiro Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Ana Luisa Brandão de Carvalho Lira Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Maria Isabel da Conceição Dias Fernandes UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
  • Paula Fernanda Brandão Batista Dos Santos Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.3823/2261

Abstract

Background: Child´s Growth and Collective Development Monitoring is a practice that involves low-cost and high-efficiency technologies, based on the prerogative of health promotion. This study aims to describe the mothers´ perception about the collective monitoring of child growth and development.

Method: This is a descriptive research with a qualitative approach, carried out with 13 mothers, through semi-structured interviews and participant observation. Data analysis was the technique of content analysis proposed by Bardin.

Results: From the data analysis, two categories emerged: “The exchange of experiences and the autonomy of the subjects from the health promotion modelâ€, where it was identified that the collective monitoring of child growth and development is a time favoring the approach between professionals and patients by motivating family participation by the emphasis on health promotion actions; and “The ability to recognize the reality and identify the difficulties†that indicated the change in care practice by professionals as a difficult task, but of great importance for health care.

Conclusion: The mothers´ perception about the collective monitoring is directed at the health promotion model, being observed greater involvement among the participants in the consultations, bond, and autonomy.

Author Biography

Maria Isabel da Conceição Dias Fernandes, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

Departamento de Enfermagem.

References

Fertonani HP, Pires EP, Biff D, Scherer MDA. Modelo assistencial em saúde: conceitos e desafios para a atenção básica brasileira. Ciênc saúde coletiva. 2015; 20(6): 1869-78.

Trindade LL, Pires DEP. Implicações dos modelos assistenciais da atenção básica nas cargas de trabalho dos profissionais de saúde. Texto & contexto enferm. 2013; 22(1): 36-42.

Silva JM, Caldeira AP. Modelo assistencial e indicadores de qualidade da assistência: percepção dos profissionais da atenção primária à saúde. Cad saúde pública. 2010; 26(6): 1187-93.

Pedraza DF. Growth surveillance in the context of the Primary Public Healthcare Service Network in Brazil: literature review. Rev bras saúde matern infant. 2016; 16(1): 7-19.

Gurgel PKF, Tourinho FSV, Monteiro AI. Consulta coletiva de crescimento e desenvolvimento da criança à luz da teoria de Peplau. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2014; 18(3): 539-43.

Monteiro AI, Macedo IP, Santos ADB, Araújo WM. A enfermagem e o fazer coletivo: acompanhando o crescimento e o desenvolvimento da criança. Rev Rene. 2011; 12(1):73-80.

Vasconcelos LM, Albuquerque IMAN, Lopes RE, Oliveira CV, Viera NFC, Gubert FA. Puericultura: percepção de mães atendidas em unidade básica de saúde em sobral, Ceará, Brasil. Rev enferm UFPE on line. 2010; 4(3):1492-97.

Assis WD, Collet N, Reichert APS, Sá LD. Processo de trabalho da enfermeira que atua em puericultura nas unidades de saúde da família. Rev bras enferm. 2011; 64(1): 38-46.

Leão CDA, Caldeira AP, Oliveira MMC. Atributos da atenção primária na assistência à saúde da criança: avaliação dos cuidadores. Rev bras saúde matern infant. 2011; 11 (3): 323-34.

Fontanella BJB, Magdaleno Júnior R. Saturação teórica em pesquisas qualitativas: contribuições psicanalíticas. Psicol estud. 2012; 17(1): 63-71.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70-Brasil, ed.1, 2011.

Mahl FD, Mattiazzi AL, Angst OVM, Kessler TM, Biaggio EPV. Estudo do perfil sociodemográfico e psicossocial de mães de neonatos e seus conhecimentos sobre a Triagem Auditiva Neonatal. O Mundo da Saúde. 2013; 37(1):35-43.

Gurgel PKF, Brandão ICA, Santos ADB, Monteiro AI, Teodósio SSCS. O acompanhamento do crescimento e do desenvolvimento da criança: uma ação coletiva da enfermagem. Rev enferm UFPE on line. 2013; 7(2): 625-631.

World Health Organization. The Ottawa charter for health promotion. Geneve: WHO; 1986 [cited 2016 sep 25]. Avaliable from: http://www.who.int/healthpromotion/conferences/previous/ottawa/en/

Haeser LM, Büchele F, Brzozowski FS. Considerações sobre a autonomia e a promoção da saúde. Physis. 2012. 22(2): 605-20.

Vasconcelos VM, Frota MA, Martins MC, Machado MMT. Puericultura em enfermagem e educação em saúde: percepção de mães na estratégia saúde da família. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2012; 16(2): 326-31.

Freire P. Pedagogia da Autonomia - Saberes Necessários à Prática Educativa. 43th ed. Paz e Terra: Coleção Saberes; 2011.

Lima L, Pires DE, Forte ECN, Medeiros F. Satisfação e insatisfação no trabalho de profissionais de saúde da atenção básica. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2014; 18(1): 17-24.

Silva KL, Sena RR, Belga SMMF, Silva PM, Rodrigues AT. Promoção da saúde: desafios revelados em práticas exitosas. Rev Saúde Pública. 2014; 48(1): 76-85.

Campos RMC, Ribeiro CA, Silva CV, Campos E, Saparolli L. Consulta de enfermagem em puericultura: a vivência do enfermeiro na Estratégia de Saúde da Família. Rev Esc Enferm USP. 2011; 45(3):566-74.

Monteiro AI, Santos ADB, Macedo IP, Gurgel PKF, Cavalcante JMP. A expressão da autonomia do enfermeiro no acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança. Rev enferm UERJ. 2011; 19(3):426-31.

Downloads

Published

2017-01-24

Issue

Section

Primary Care

Most read articles by the same author(s)